Wednesday, April 10, 2013

BOLA SETE

The words Bola Sete are Portuguese for the seventh ball in the billiard game, which is the only black one. He got his nickname after being the only Black man in a small group. From an early age, he was habitual at the Bohemian circles at Praça Tiradentes in Rio de Janeiro, where musicians gathered. 

At 17, he joined singer-song-writer Henricão and his group and went to Marilia-SP for an 8-month season. Returning to Rio, he played at every available venue in town and Niterói-RJ.

In 1945, Rio's Radio Transmissora instituted an acoustic-guitar contest, in which Bola Sete was the winner. He continued playing in Minas Gerais and Rio. 

At last, he was hired contractually by Radio Nacional and he worked in the famous 'Trem da Alegria' radio-show for 3 three years at Theatro João Caetano with Lamartine Babo, Heber de Boscoli & Yara Salles. 

In the late 1940s, he formed his own Bola Sete & seu Conjunto. During that time, Dolores Duran, who went on to be a famous singer-song-writer, was a crooner at the Béguin night-club and once invited, became the group's singer at Drink and Vogue two other popular night-clubs. 

In 1952, Bola Sete went to Italy and played in several night-clubs. He returned to Brazil in 1954, and formed an orchestra, with which he toured through Argentina, Uruguay and Spain. In 1955, he toured again, this time Lima, Peru and Santiago do Chile. 

In 1959, Bola moved to the U.S. and in 1962, was hired directly by the general manager of Sheraton Hotels to play in the several units of that chain. 

In 1960, the label Sinter, which had already recorded several cuts with him, released the album 'Bola Sete'. He had also recorded for EMI's Odeon, which released at the same time 'Bola Sete e Quatro Trombones' with his own compositions and Gershwin standards. 

In November 1962, Bola appeared at the historic Bossa Nova Festival at Carnegie Hall in New York. He also played at the Village Gate and Vanguard. Odeon released 'O Extraordinário Bola Ste' and the US label Fantasy released 'Bossa Nova'. 

He was then playing at New York's Park Sheraton and later in 1962, he moved to San Francisco to play at the Sheraton Palace. Dizzy Gillespie was staying there and listened to him every night. When Gillespie's pianist, Lalo Schifrin, came to the hotel, he met Bola Sete, with whom he had become acquainted and played with when the Brazilian toured Argentina in the 1950s. Invited by Gillespie, Bola played with him at the 9th Annual Monterey Jazz Festival with great success. 

Following tours and a recorded album with Gillespie, Sete moved again to San Francisco and joined Vince Guaraldi's trio. This two-year association, profitable for both artists, consolidated the already expressively popularity of Bola Sete in the U.S. They recorded together 1963's Vince Guaraldi, Bola Sete & Friends (Fantasy).

Then he formed his own trio with Brazilian musicians Tião Neto (bass) and Chico Batera (drums), with whom he performed at the 1966 Monterey Jazz Festival, again with great success. From November 11 to 13, 1966, Bola Sete was featured at the Fillmore Auditorium. 

In 1969, he appeared at the Brazilian and American Music Festival, in Mexico City together with Eumir Deodato, Milton Nascimento and Airto Moreira. 

His releases in the U.S. include 1964's 'Tour de Force' and 'From all sides' (with Vince Guaraldi), 1965's 'The solo guitar of Bola Sete' and 'The incomparable Bola Sete', 1966's 'Live at El Matador' (with Vince Guaraldi) and 'Autentico', 1967's 'At the Monterey Jazz Festival', 1969's 'Shebaba' - all through Fantasy; 1976's 'Working on a groovy thing' for Paramount, 1981's 'Ocean II' for Lost Lake, and 1985's 'Jungle suite' for Dancing Cat. 


A normal day at Radio Nacional in Rio de Janeiro in the 1950s. Some foreign sailors (at the back of the table) visit the great radio station. One can see Dolores Duran chatting with a blonde bespectacled sailor on the left; Emilinha Borba on the right; Bola Sete holds his guitar next to compere Cesar de Alencar... Nora Ney (with closed eyes) is standing up on the right.

At Rio de Janeiro's Hotel Gloria's night club Beguin's programme for the night: Guido de Morais his piano & his combo accompany Irene Macêdo;  Bola Sete & his combo accompany Dolores Duran. Anna Marly is the main attraction.



Bola Sete plays his guitar with singer Jorge Veiga in the back.


Booker Pittman, Lena Horne, Ophelia Pittman & Bola Sete in Rio de Janeiro, 1960. 


DJALMA DE ANDRADEBOLA SETE

* 6 JUL 1923 in Rio de Janeiro-DF 
+  14 FEB 1987 in Greenbrae, California  (63 anos)

Djalma de Andrade, o famoso Bola Sete, nasceu em 6 Julho 1923 no Rio de Janeiro-DF. Djalma era o único menino entre seis irmãs de uma família muito pobre e  musical. Aos 6 anos, começou a tocar cavaquinho e, aos 9, ganhou seu primeiro violão.

Em 1933, com 10 anos, foi adotado por um casal de classe média, com o qual conheceu a música clássica. Na adolescência, costumava participar de rodas de músicos na Praça Tiradentes.

Em 1940, com 17 anos, seguiu para Marília-SP, como violonista de um conjunto do qual participava o compositor Henricão. Tocou em parques de diversão em Campinas-SP e em Niterói-RJ.

Em 1943, com 20 anos, sua familia o mandou para uma fazenda do interior para evitar que fosse recrutado e mandado p’ra Guerra na Europa. Na fazenda, Djalma teve contato, pela primeira vez, com a música folclórica, ao mesmo tempo em que continuava a tocar violão clássico.

Em 1945 venceu um concurso de violonista na Rádio Transmissora. Na Radio Nacional trabalhou 3 anos no famoso programa ‘Trem da Alegria’, transmitido diretamente do Teatro João Caetano, comandado por Heber de Bôscoli, Yara Salles e Lamartine Babo.  

No final da década de 1940 organizou o Bola Sete e Seu Conjunto e para cantar, convidou Dolores Duran, que era crooner da Boate Beguin. Atuaram nas boates Drink e Vogue.

DISCOGRAFIA

1949 – ‘Meu sonho’ (bolero) / ‘Carminho no choro’ – ao violão em composições suas; seu 1º 78 rpm pela Star.

1952 – ‘Sem compromisso’ / ‘Tô de sinuca’ (choros) – ao violão elétrico em composições próprias.

1953 – ‘Meditando’ (choro de Garôto) / ‘Baião da Bahia’ (Bola 7) – ao violão elétrico  
Em 1954, formou uma orquestra para atuar no Baile dos Artistas no Hotel Glória. Com este grupo excursionou pela Argentina, Uruguay e Espanha.

Em 1955, fez shows em Lima no Peru e em Santiago do Chile.

1955 - ‘Hora Staccato’ (choro de Dinicu e Heifetz)  / ‘Czardas’ (baião de Monti) – Bola 7 & seu conjunto - Continental

1956 - ‘Accarezzame’ (fox-trot de Pino Calvi e Nisa) / "Scapriccitiello" (baião de F. Albano e Pacífico Vento)

1957 - ‘Bacará’ (Bola 7) / "Aquarela do Brasil" (Ary Barroso) – Bola 7 e seu conjunto

1958 – ‘Mister Jimmy’ (samba-rock de Bola 7) / ‘Mambeando’ (Bola 7)

Em 1959, mudou-se para os EUA, onde atuou por 3 anos nos hotéis da rede Sheraton Hotels & Resorts, com shows diários.

1959 lançou o LP "Bola Sete... É a bola da vez" pela Odeon interpretando "Vai Que é Bom", e "Batucando Mesmo", de sua autoria, "Cadê a Jane" (Erasmo Silva e Wilson Batista), "Minha Saudade" (João Donato e João Gilberto) e "Eu Preciso de Você" (Aloísio de Oliveira e Tom Jobim).

Em 1960, gravou o samba "Batucando Mesmo", e o rock "Ma Griffe", ambos de sua autoria. Por essa mesma época, foram lançados dois LPs seus: "Bola Sete", pela Sinter, com "Um a Zero" (Pixinguinha e Benedito Lacerda) e "Império do Samba" (Zé da Zilda e Zilda do Zé), entre outras, e "Bola Sete e Quatro Trombones", pela Odeon, destacando-se "Mambeando", de sua autoria, e "The Man I Love" (Ira Gershwin e George Gershwin).

Em 1962, participou do Festival de Monterey, na Califórnia, como integrante do conjunto de Dizzie Gillespie. Lançaram um disco nos USA. 

Também em 1962, foi lançado no Brasil o LP "O Extraordinário Bola Sete", pela Odeon, destacando-se as músicas "Menino desce daí" (Paulinho Nogueira), e "Fico triste sem twist", de sua autoria.

Em novembro de 1962, apresentou-se no Festival de Bossa Nova, no Carnegie Hall, ao lado da cantora Carmen Costa, evento famoso que consolidou o novo ritmo nos USA. Apresentando-se ainda no Village Gate e no Village Vanguard.

Também em 1962, organizou seu próprio trio, com Tião Neto (baixo) e Chico Batera (percussão). Lançou, ainda em 1962, pelo selo Fantasy, o LP "Bola Sete Bossa Nova", interpretando "Manhã de Carnaval" (Antônio Maria e Luiz Bonfá), além de outras composições suas como "Sem Você", e "Cingadinho".

Em 1964, lançou dois LPs pelo selo norte americano Fantasy: "Tour de Force", com destaque para a música título, de Dizzy Gillespie, e "Mambeando", de sua autoria e, "From All Sides - Vince Guaraldi And Bola Sete".

Em 1965, lançou mais dois LPs pelo selo Fantasy: "The solo guitar of Bola Sete", com destaque para "Flamenco Fantasy", de sua autoria e "Brazilliance" (Laurindo Almeida) e "The Incomparable Bola Sete", com destaque para "Lamento Negro" e "Be-bossa", de sua autoria, e "Valsa de Uma Cidade" (Ismael Netto e Antônio Maria).

Em 1966, voltou a gravar com Vince Guaraldi, lançando o LP "Live at El Matador - Vince Guraldi e Bola Sete", com "Favela" (Tom Jobim-Vinicius de Moraes), e "Black Orpheus Suíte" (Tom Jobim-Luiz Bonfá). No mesmo ano, gravou o LP "Autentico! - Bola Sete and the New Brazilian Trio", com destaque para "Brejeiro" (Ernesto Nazareth), "Quindim de Iaiá" (Ary Barroso) e "Pau de Arara" (Luiz Gonzaga-Guio de Morais).

Em 1967, lançou pelo selo Verve o LP "Bola Sete at the Monterrey Jazz Festival" no qual interpretou um medley com "Manhã de Carnaval" (Luiz Bonfá-Antônio Maria), "A Felicidade" (Tom Jobim-Vinicius de Moraes), e "Samba de Orfeu" (Luiz Bonfá-Antônio Maria).

Em 1969, ao lado de Airto Moreira, Eumir Deodato e Milton Nascimento participou do Festival de Música Brasileira e Americana, no México.

Em 1971, gravou o LP "Workin' On a Groovy Thing", na Paramount/RGE, com destaque para a música "With a little help from my friends" (Lennon & McCartney).

Ao todo gravou 10 LPs nos EUA, vários com Vince Guaraldi, além de "Ocean I", "Ocean II" e "Jungle Suite". Atuou no regional de Claudionor Cruz. Considerado ao lado de Luiz Bonfá, Laurindo Almeida e Garôto, como um dos "mais talentosos e modernos violonistas brasileiros dos anos cinqüenta", segundo os historiadores Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello.

Ao longo de toda a sua carreira, existem relatos de uma forte dedicação ao estudo. Mesmo nos últimos anos de vida, já doente, sua mulher conta que estudava de quatro a seis horas por dia.

No final dos anos 50 mudou-se para os Estados Unidos, onde fez uma carreira de sucesso e viveu até a sua morte em 1987.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB e Wikipédia



1960








1966


Revista do Radio no. 357.

3 comments:

  1. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  2. Ali embaixo e à esquerda, de óculos, é Isis de Oliveira e duas cabeças acima, Dolores Duran, não?

    ReplyDelete
  3. obrigado, Gabriel, pela identificação da radio-atriz Isis de Oliveira, a esquerda, na mesa... já os marujos, provavelmente devem ser escandinavos...

    ReplyDelete